Central das Notícias
Notícias, vídeos e humores
closeDownload
Baixe agora!
share icon

Os trabalhadores perdem da inflação

Estadão

As novas dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores, mesmo os que têm alguma ocupação, não aparecem com nitidez em estatísticas recentes. Há nelas sinais positivos, como a redução das taxas de desocupação e o aumento do número de trabalhadores com carteira assinada. Mas o maior crescimento da ocupação é observado entre trabalhadores informais e temporários, o que indica um mercado mais precário. E para os que estão regularmente contratados, além da persistente ameaça de demissão por causa da estagnação da economia, há o risco de perda de renda provocada pela inflação. Por outros meios, a crise continua a acossar os trabalhadores.

Do ponto de vista da recomposição salarial, o ano passado foi o pior, desde 2018, para os empregados com carteira assinada. Com base em dados do Ministério do Trabalho, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) constatou que quase a metade (47,7%) dos acordos e convenções coletivas negociados em 2021 previu reajustes salariais menores do que a inflação. Em outras palavras, os trabalhadores dessas categorias profissionais tiveram alguma perda de renda real.

Como mostrou o Estado, o porcentual das negociações que asseguram ganhos reais aos trabalhadores vem caindo desde 2018, quando o Dieese passou a utilizar dados do Ministério do Trabalho. No início da série, três quartos das negociações (74,8%) asseguraram reajuste maior do que a inflação; no ano passado, o porcentual tinha despencado para 15,8%.

O Dieese vem avaliando os reajustes salariais das principais categorias profissionais há mais tempo. Este tem sido um de seus trabalhos mais importantes para a aferição das condições de vida dos trabalhadores. Antes de 2018, o organismo sindical aferia as negociações coletivas das 800 principais categorias profissionais do País.

Na série mais longa dos estudos do Dieese, observa-se que, neste século, somente em 2003 os resultados para os trabalhadores foram piores do que os do ano passado. Naquele ano, 58% das negociações resultaram em correção salarial inferior à inflação. Foi um ano de dificuldades e incertezas variadas para o País, por causa da inflação em alta e, sobretudo, por ser o primeiro de um governo liderado pelo PT (era o início do primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência da República).

Hoje, o cenário, como observou para o Estado o economista da LCA Consultores Bruno Imaizumi, é delicado, como produto da combinação de inflação com desemprego alto. O resultado, além de maiores dificuldades para os trabalhadores, pode ser a inibição da atividade econômica. “A grande parcela de reajustes salariais perdendo para a inflação pode limitar o consumo e a atividade, com desdobramentos sobre a inadimplência”, adverte o economista. Na capital paulista, a inadimplência ainda não está subindo, mas cresce o número de famílias endividadas – que tomam empréstimos para compensar a perda de renda por causa da inflação –, o que pode impulsionar a inadimplência mais adiante.

Ver fontes Baixe!