Central das Notícias
Notícias, vídeos e humores
closeDownload
Baixe agora!
share icon

Atual chefe do FMI rejeita cancelamento de relatório Doing Business

Poder360

A atual chefe do FMI (Fundo Monetário Internacional), Kristalina Georgieva, rejeitou as alegações de falta de integridade de informações no relatório Doing Business, dedicado a avaliar o ambiental global de negócios, do Banco Mundial, nesta 5ª feira (16.set.2021).

“Discordo fundamentalmente das conclusões e interpretações da Investigação de Irregularidades de Dados no que se refere à minha função no relatório Doing Business de 2018”, disse em nota enviada ao diário norte-americano Wall Street Journal.

Uma investigação externa concluiu que líderes bancários seniores –incluindo Georgieva e o então presidente do Banco Mundial Jim Yong Kim –teriam pressionado economistas para melhorar a classificação da China em 2018.

Na época, os líderes do Banco Mundial estariam tentando persuadir Pequim a apoiar um aumento no financiamento do órgão multilateral. A decisão de cancelar o relatório foi divulgada nesta 5ª (16.set). Eis a íntegra do comunicado (em inglês, 794 KB).

O relatório Doing Business é uma publicação emblemática do Banco Mundial. Mede a capacidade dos governos de conceder licenças a empresas, estabelecer conexões de luz e internet e pagar impostos –alguns dos fatores considerados nas classificações.

O órgão optou por descontinuar a publicação. “A confiança nas pesquisas do Banco Mundial é vital”, disse o órgão no comunicado. “Depois de analisar todas as informações disponíveis, incluindo conclusões anteriores, a administração do Banco Mundial decidiu descontinuar o relatório Doing Business”.

Em 2017 e 2018, as autoridades chinesas buscavam melhorar a classificação nos rankings do Doing Business. Enquanto isso, o Banco Mundial buscava credores internacionais para aumentar seu capital em US$ 13 bilhões.

Kim e Georgieva teriam realizado uma série de reuniões para discutir maneiras de alterar a metodologia do relatório a fim de melhorar a classificação chinesa. Eis a íntegra da investigação (em inglês, 217 KB). A China é o 3º maior acionista do Banco Mundial, atrás apenas dos EUA e Japão.

Depois de uma série de tentativas, a equipe do Banco Mundial identificou 3 dados que poderiam ser alterados para aumentar a pontuação da China, afirmou o relatório. O país ganharia pontos com “direitos legais” concedidos em transações, como empréstimos, com garantia.

Com a alteração, a China subiu da 85ª para a 78ª posição. Uma série de mudanças menores teria afetado classificações do Azerbaijão, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita. Os funcionários da instituição sabiam que as mudanças eram inadequadas, mas não teriam relevado por medo de retaliação, concluiu o relatório.

Em abril de 2018, China, EUA e outros países membros finalizaram o acordo para aumentar o financiamento do Banco Mundial. Não está claro se a melhora na classificação influenciou no apoio chinês.

Em 2018, o então economista-chefe do Banco Mundial Paul Romer alertou sobre o fato de o relatório Doing Business ser suscetível a campanhas de alteração de dados para fins políticos. Ele disse, à época, não ter confiança em uma série de mudanças metodológicas.

Deu como exemplo o Chile: a classificação melhorou sob governos conservadores, mas piorou sob governados socialistas. O Banco Mundial negou que o relatório tivesse sido manipulado e Romer renunciou.

O órgão multilateral solicitou a atual investigação depois da descoberta de irregulares em dados adicionais, no ano passado. A publicação foi suspensa –à época, temporariamente.

Ver fontes Baixe!