Central das Notícias
Notícias, vídeos e humores
closeDownload
Baixe agora!
share icon

“Qualquer cirurgia pode matar; paciente tem que pôr na balança”

Midia News

A morte de uma influenciadora digital, de 26 anos, após uma lipoaspiração no Ceará, em janeiro, ascendeu um alerta sobre os riscos envolvidos nos procedimentos estéticos e a real necessidade de fazê-los.

 

Em entrevista ao MidiaNews, o cirurgião plástico Benedito Figueiredo afirmou que qualquer cirurgia pode levar à morte e cabe ao paciente pôr isso na balança.

 

“Eu não gosto de focar o raciocínio em plástica porque parece que a plástica é diferente de outras áreas [da Medicina]. Mas a plástica está sujeita às mesmas leis naturais que a Medicina. Então não é uma ciência separada da ciência médica”, afirmou.

 

Figueiredo garantiu, porém, que cirurgia de lipoaspiração, por exemplio, é um dos procedimentos mais seguros da Medicina. Segundo ele, os casos de mortes representam apenas 1% do total.  

 

Na entrevista, o cirurgião disse não concordar que exista, atualmente, uma pressão estética influenciada pelas redes sociais.

 

Para ele, a busca pela beleza sempre existiu na humanidade e cada pessoa tem a liberdade de fazer o que deseja sem ser julgada se está exagerando ou não.

 

Leia a entrevista:

 

MidiaNews - No mês passado uma influencer morreu depois de fazer uma lipoaspiração. Vaidade em excesso pode matar?

 

Benedito Figueiredo - Primeiro quem classifica que é em excesso, né? Eu não conheço esse caso em questão e precisaria ter parâmetros para classificar. Cirurgia poder matar? Sim, pode. Você está abrindo o corpo de uma pessoa, submetendo a um risco de infecção, de lesar órgão ou vasos importantes e isso pode matar. Quando você faz uma cirurgia é fundamental ao cirurgião e ao paciente ter essa consciência. Cirurgia pode matar ou se não matar pode deixar sequelas. Quem vai se submeter ou fazer a cirurgia tem que colocar na balança esses riscos de óbito.

 

Cirurgia pode matar ou se não matar pode deixar sequelas. Quem vai se submeter ou fazer a cirurgia tem que colocar na balança esses riscos de óbito

No caso de uma apendicite, se o paciente não fizer a cirurgia, morre. Ele, então, troca a certeza da morte pela chance de escapar. Esse é o nível de consciência em qualquer cirurgia, seja plástica, lipo... Falo de um ato médico - porque as cirurgias plásticas continuam sendo atos médicos - e todo ato médico invasivo gera uma sequela, uma consequência.

 

Cirurgia plástica é uma área médica, a grosso modo, de cirurgia eletiva, ninguém precisa fazer plástica, as pessoas escolhem. Quando você escolhe atravessar uma rua, você sabe que pode ser atropelado. Então, o paciente tem que colocar na balança se o risco que ele vai correr vale o benefício do final.

 

É excesso de vaidade? Não sei, depende da cabeça do paciente, do que é importante para ele. Claro, é responsabilidade do médico instruir o paciente, mas a escolha é do paciente. Diferente de uma cirurgia de urgência e emergência, por exemplo, onde o paciente não tem escolha e o médico acaba tomando esta decisão por ele.

 

Eu não gosto de focar o raciocínio em plástica porque parece que a plástica é diferente de outras áreas, mas a plástica está sujeita às mesmas leis naturais que a Medicina. Então não é uma ciência separada da ciência médica.

 

MidiaNews - Por que vemos tantos casos de mortes após lipoaspiração?

 

Benedito Figueiredo - Não há tantos casos. É a mesma quantidade como de qualquer outra cirurgia. Cirurgia de lipoaspiração é um dos procedimentos mais seguros da Medicina. Se não me engano é menos de 1%, e isso é extremamente seguro em Medicina. Para você ter uma ideia, uma taxa de infecção considerada baixíssima em Medicina, que são das cirurgias classificadas como limpas, é de 5%. Então a lipoaspiração é bem menor. Sempre a gente avalia comparativamente, e a taxa de lipoaspiração se mantém constante. Claro que existe o detalhe do apelo da situação, existe essa áurea de todo mundo tentar entender o que e uma plástica, existe essa curiosidade maior sobre a plástica do que entender sobre uma ponte de safena.

  

MidiaNews - Quais os riscos da busca da perfeição através de procedimentos estéticos?

 

Benedito Figueiredo - Porque a humanidade sempre buscou a beleza. Podemos ver isso nas pinturas rupestre, nos índios. É uma característica da humanidade e é extremamente importante essa busca da beleza porque isso está intimamente ligado à ideia de excelência. Se a gente não buscar a excelência a gente não evolui e a beleza é um dos braços disso. Então, aumentou por causa de redes sociais? Não, isso é inerente à humanidade.

 

Talvez agora seja mais fácil por conta da informação que está descentralizada. Os veículos de comunicação não têm mais o monopólio da informação. Blogueiros, influencers de Instagram, personalidades têm muito mais influência que veículos tradicionais de mídia. Como a gente recebe a mesma informação de vários canais passa a sensação que tem algo a mais.  

 

Eu não concordo porque quando analisa historicamente você que a humanidade sempre procurou isso e hoje pela evolução que a humanidade teve isso é mais fácil.

 

MidiaNews - Que cuidados o paciente deve tomar para não correr risco em um procedimento deste?

  

Benedito Figueiredo - Não tem como não correr riscos. O que você vai fazer é o mesmo raciocínio de segurança que você tem que ter para tudo na vida. Agora falando de medidas específicas, é um cirurgião habilitado, certificado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e na Associação Médica Brasileira. Além de ser registrado como médico tem que ser registrado como cirurgião plástico. Isso garante que não vai ter problema? Não, porque a essência da cirurgia é machucar, provocar um machucado controlado que posteriormente vai te trazer um benefício. No entanto, isso te dá uma certeza, de que o profissional que está trabalhando com você passou por um treinamento padronizado conforme o parâmetro das sociedades de classe.

 

Também é preciso estar com a saúde em dia, ser avaliado por um cardiologista, por um endocrinologista. Se o cirurgião na entrevista percebe algum distúrbio de humor do paciente, tem que pedir para ele ser avaliada por uma psiquiatra.

 

E também é preciso ver se o hospital tem recursos, se o hospital tem um bom centro cirúrgico, se tem uma farmácia que não falta medicamentos, se tem laboratórios, banco de sangue. Nem sempre o hospital mais bonito ou famoso nas redes sociais é o com mais estrutura.

 

Pietra Nóbrega/MidiaNews

Benedito Figueiredo

"Quando a gente fala que está em demasia a gente está começando a julgar valores"

 

 

MidiaNews -  O senhor chegou a indicar a psiquiatria para algum de seus pacientes insatisfeito com o corpo?

 

Benedito Figueiredo - Já. O principal que eu vejo é quando paciente ouve que não vai alcançar o resultado e ele contesta, como se o médico tivesse que dar aquele resultado mesmo falando que não é capaz. Isso tem uma questão de relacionamento interpessoal e social muito grave que precisa ser analisada para ver se é uma explosão de momento ou se aquela pessoa tem uma análise equivocada das coisas.

 

MidiaNews - Há alguns dias a polícia flagrou uma falsa biomédica que trabalhava em um SPA de Cuiabá que fazia até lipoaspiração. Que risco uma pessoa corre ao recorrer aos serviços de uma profissional como esta?

  

Benedito Figueiredo - Para mim o paciente tem que entender que é corresponsável de tudo. Se a pessoa vai em um SPA para fazer um procedimento cirúrgico, acho que a problema não é só a pessoa que mentiu sobre seu cargo, mas também no paciente que deu valor zero para a vida dela. Não digo nem que esta mulher não sabe, às vezes ela sabe fazer uma lipo, mas não tem um treinamento, é o mesmo que pedir para sua vizinha porque ela é uma boa costureira para fazer uma cirurgia em você.

 

“A biomédica não podia...”, Mas porque essa pessoa foi fazer com uma biomédica? O biomédico é um profissional que faz análises clínica, para fazer exames laboratoriais. Atendimento médico é com o médico. Se ela se apresenta como biomédica, então você está fazendo atos médicos sem autorização para fazer isso, vai responder por isso. “Mas deu infecção”. Você, paciente, aceitou fazer um ato médico com um não-médico, está ciente dos riscos que está assumindo. “Ah, ela se apresenta como médica”. Falsidade ideológica, exercício ilegal da Medicina e mentiu para a paciente. Então é acionar a Polícia Federal para ela ser presa

 

MidiaNews - O senhor fez recentemente um alerta sobre cremes que prometem aumentar os seios ou as curvas femininas. Isso é charlatanismo?

 

Se a pessoa vai em um SPA para fazer um procedimento cirúrgico acho que a problema não é só a pessoa que mentiu sobre seu cargo, mas também no paciente que deu valor zero para a vida dela.

Benedito Figueiredo - A humanidade busca o conforto, a tranquilidade e resultados milagrosos e a indústria se beneficia disso. A partir do momento que tem um creme que diz que sua mama vai crescer, como uma prótese ou que vai eliminar as gorduras abdominais sem precisar fazer dieta ou exercício, até eu quero usar.

 

A indústria está procurando atender uma demanda do mercado consumidor. Resta a cada um individualmente sairmos da posição de vítima e assumirmos as rédeas da nossa vida. Chegar e falar “isso é loucura”, eu estudei que a mama feminina se desenvolver por causa dos hormônios femininos, não tem creme que faça isso.

 

Você acha que indústria farmacêutica não pesquisou para ganhar dinheiro com um comprimido que crie músculos, que emagreça, que cresça o peito? A indústria farmacêutica gasta bilhões em pesquisas científicas. A gente está vendo eles criarem uma vacina em uma ano para uma doença que nem existia. Capacidade tecnológica existe, interesse econômico existe, se não inventaram isso até agora é porque não tem como. Então, as pessoas têm que fazer alguns raciocínios simples sobre isso.  

 

MidiaNews - Uma das modas do momento é a tal harmonização facial. Mas há casos em que as pessoas acabam se arrependendo do que fizeram. Qual é a melhor maneira de fazer este procedimento? Em caso de arrependimento por parte do paciente, é possível reverter o procedimento?

 

Benedito Figueiredo - Eu não gosto do termo, acho que é de puro marketing. Harmonização virou um baú de vários procedimentos que são feitos no rosto e, dependendo do processo, pode ser revertido. Na minha opinião a harmonização começa a criar um padrão, quem faz harmonização termina com o mesmo rosto, e se eu não quiser esse rosto?

 

A função do médico é dar um atendimento personalizado. Se você me queixar da sua sobrancelha, eu vou focar nisso, não vou mudar sua boca, isso é atendimento personalizado. A pior coisa que um paciente pode fazer na consulta com o cirurgião e falar: “Olha para o meu corpo e me diz o que você acha que eu devo mudar”. O problema disso é que se essa ordem é acatada eu pego e mudo na cirurgia e no final o paciente chega e diz: “Mas eu não gostei”. Mas eu gostei e você falou para ficar como eu gosto e assim a gente criou um problema sem solução.  

 

MidiaNews - Há pouco mais de dois anos uma bancária de Cuiabá morreu após a aplicação do produto PMMA nos glúteos. Este produto ainda é muito utilizado?

  

Benedito Figueiredo - PMMA, entre os cirurgiões plásticos, é praticamente um produto que caiu em desuso, pelo risco da complicação. A complicação dele costuma ser gravíssima e irreparável e existem restrições do uso pela Anvisa. Eu nunca usei o PMMA pela questão dos riscos e por saber que as complicações são irreparáveis, via de regara eu sei que os cirurgiões não utilizam.

 

Esse caso a paciente foi fazer um procedimento com um profissional sem formação. Então não sei dizer se é por conta do produto ou uma falha no procedimento, tem que ser investigado.

 

MidiaNews - Talvez um dos procedimentos estéticos mais populares seja o implante de silicone nos seios. Houve alguma evolução nos produtos nos últimos anos?

 

Benedito Figueiredo - O procedimento mais popular é a cirurgia de mama, com ou sem silicone. Colocar silicone somente para aumentar a mama é uma das cirurgias.

 

Totalmente seguro nunca foi. Já a cirurgia vem em evolução constante, mas nem sempre chega na população em geral, é mais em meio científico e acadêmico.

 

A evolução vem e é algo constante na Medicina, mas não é em saltos milagrosos. Até ser consagrada é preciso passar no teste do tempo.

 

 

Ver fontes Baixe!