Central das Notícias
Notícias, vídeos e humores
closeDownload
Baixe agora!
share icon

Novo modelo explica evolução gradual e suave de galáxias como a Via Láctea

Canaltech

Uma equipe de pesquisadores das instituições Iowa State University, University of Wisconsin-Madison e IBM Research realizou um estudo para entender como aglomerados massivos de gás nas galáxias são capazes de espalhar estrelas para longe de suas órbitas, e gerar também o brilho presente nos discos do interior delas. Os pesquisadores direcionaram o estudo para entender como estes aglomerados nas galáxias jovens afetam a órbita das estrelas e criam discos galácticos com centros brilhantes e brilho que, quanto mais externo, mais difuso fica.

Eles explicam que a formação dos discos exponenciais com este espalhamento vai além das galáxias jovens e seria um processo mais robusto e presente em todas as galáxias, mas estes discos estão presentes em galáxias espirais, elípticas anãs e irregulares. Para entender melhor o motivo por trás disso, os pesquisadores elaboraram modelos para rastrearem o espalhamento das estrelas dentro galáxias: “sentimos que temos um entendimento muito mais profundo dos processos físicos, que solucionam este problema de quase 50 anos”, diz Curtis Struck, professor de física e astronomia na Iowa State University.

Os traços indicam amostras de órbitas de estrelas que se distanciam das órbitas dentro da galáxia (Imagem: Reprodução/Jian Wu/Iowa State University/SLOAN DIGITAL SKY SURVEY)

Acontece que galáxias semelhantes à nossa possuem uma espécie de disco composto por estrelas e gás com diferentes massas e tamanhos. Todos estes discos têm propriedades parecidas, e a taxa de formação de estrelas neles se relaciona ao gás, o movimento dele e o tempo que a galáxia leva para se mover. Assim, eles descobriram que os impulsos gravitacionais gerados por aglomerações massivas alteram as órbitas das estrelas, o que faz com que a distribuição delas no disco mude e, assim, tenha um brilho diferente também.

Na prática, os discos galácticos têm brilho mais suave conforme as estrelas se espalham. O último modelo computacional, liderado por Jian Wu, foi produzido depois de melhorias alcançadas após longos anos de estudos e mostra como os aglomerados de estrelas e gases dentro das galáxias podem alterar as órbitas de estrelas próximas: existem eventos que espalham as estrelas e podem alterar a órbitas das estrelas e até atraí-las à volta de aglomerados massivos. Entretanto, outros eventos que causam este espalhamento não são tão poderosos.

Os modelos também apresentam indicações sobre o tempo que os discos de galáxias exponenciais se formarem: a velocidade da rotação é afetada pelos tipos de aglomerados e densidades iniciais, mas não há influência no brilho final. Nesse caso, a velocidade é um termo relativo porque as escalas de tempo para estes processos envolvem milhares de anos. Então, durante este tempo e até com modelos de galáxias onde as estrelas são distribuídas inicialmente de diferentes formas, Wu explica que os modelos indicam a importância do espalhamento das estrelas:. "o espalhamento estelar é muito geral e universal. Ele funciona para explicar a formação dos discos exponencial em vários casos”, finaliza.

O artigo do estudo foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Ver fontes Baixe!